sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

DESTRUCTION - Thrash Anthems II


Ano: 2017
Tipo: Full Length
Nacional


Tracklist:

1.      Confused Mind
2.      Black Mass
3.      Frontbeast
4.      Dissatisfied Existence
5.      United by Hatred
6.      The Ritual
7.      Black Death
8.      The Antichrist
9.      Confound Games
10.  Rippin’ You Off Blind
11.  Satan’s Vengeance
12.  Holiday in Cambodia


Banda:


Schmier - Vocais, baixo
Mike - Guitarras
Vaaver - Bateria


Ficha Técnica:

Destruction - Produção
V.O. “Otti” Pulver - Produção, guitarra solo em “Black Death”, e 2o e 4o solos de guitarras em “Satan’s Vengeance”
Gyula Havancsák - Artwork
Ol Drake - Músico convidado (guitarra solo em “Confused Mind”; 1o, 3o e 5o solos em em “Dissatisfied Existance”; “Rippin’ You Off Blind”; 2o e 4o solos em “United by Hatred”; “Antichrist”, e “Confound Games” )


Contatos:

Bandcamp:
Assessoria:

E-mail:

Texto: Marcos Garcia


O tempo em que bandas andaram regravando músicas e discos do passado, algo comum na década passada, está aparentemente quase encerrado. É necessário esclarecer (para o bem da verdade) que muitas vezes, o trabalho fica comprometido porque as composições em suas versões originais já são clássicas, e que podem ter ajudado a pavimentar os caminhos de determinada vertente de Metal. Mas existem casos em que novas versões são bem vindas, e que honram as originais. O DESTRUCTION, um dos integrantes do trio de ferro do Thrash Metal alemão, fez isso com o disco “Thrash Anthems” e se saiu muito bem. Logo, surge a pergunta: o que “Thrash Anthems II” pode acrescentar ao que eles haviam feito?

A resposta é simples: muita coisa!

Lançado pela Shinigami Records e pela Nuclear Blast Brasil por aqui, “Thrash Anthems II” tem algumas músicas clássicas que ficaram fora do primeiro volume por pura falta de espaço (como “Confused Mind” e “Black Mass”), e algumas que, apesar de nunca terem sido consideradas grandes, mereciam uma nova chance (o caso de “United by Hatred” e “Satan’s Vengeance”). Além do mais, no caso das canções em que o baterista original Tommy (que deixou o grupo para seguir a carreira de policial) gravou, a bateria ganhou mais técnica e diversidade (sejamos francos: Tommy não era um baterista com técnica à altura da música do grupo). Assim, velhos hinos estão soando atuais e com um sopro fresco de vida.

Traduzindo: preparem os ouvidos!

A produção moderna e vigorosa de “Thrash Anthems II” deu às velhas canções uma dose a mais de agressividade merecida, sem contar os timbres instrumentais estão excelentes. Além disso, a banda mostra um equilíbrio perfeito entre peso, melodia e clareza, honrando seu passado e com os pés firmes no presente. Além disso, a arte é de primeira, com uma capa muito legal, e o encarte cheio de fotos antigas, as letras e tudo mais.

Assim como no primeiro volume, “Thrash Anthems II” nos brinda com uma música inédita, “Frontbeast”, além da versão para “Holidays in Camboja”, hino Punk Rock/HC do DEAD KENNEDYS. As outras varrem a carreira da banda entre o EP “Sentence of Death” (estréia da banda em disco), passando por “Infernal Overkill”, “Eternal Devastation” e “Release from Agony”, e fechando em “Cracked Brains” (disco em que o baixista/vocalista Schmier não participou na época). Nisso, se percebe quanto o grupo foi seminal para o Thrash Metal alemão.

Todas as canções são excelentes, mas não falar nos riffs velozes e solos de “Confused Mind”, na energia crua temperada com ótima técnica de “Black Mass” (como os timbres vocais mais recentes deram uma vida toda nova à canção), o trabalho mais técnico e raçudo de “Dissatisfied Existance”, a rifferama fenomenal de “United by Hatred” e seus tempos mais cadenciados (como a bateria melhorou em termos técnicos), a roupagem mais técnica e bem acabada de “Ritual”, “Black Death” e “Antichrist” (se eles tivessem essa evolução toda nos anos 80…); a cadência evolvente e agressivamente fluida de “Confound Games”, a incorporação e total reaproveitamento da trabalhada e cheia de mudanças rítmicas “Rippin’ Off You Blind” (já que, como ditto acima, Schmier não fez as vozes originais), e a clássica e sempre subestimada “Satan’s Vengeance” (sejamos sinceros: poucos fãs se deram ao trabalho de conhecê-la ou classificá-la como um clássico em um EP onde estavam “Total Desaster” e “Mad Butcher”). E além delas, “Frontbeast” nos permite traçar um paralelo interessante entre o passado e o presente do grupo, em ver como evoluíram sem perder a essência, pois essa exibição de gala de riffs fantásticos, vocais ríspidos como uma lixa d’água e base rítmica sólida e bem trabalhada caberia tranquilamente em “Eternal Devastation”. E a versão deles para “Holiday in Camboja” ficou ainda mais agressiva que a original, mas sem mexer no andamento original, e permite que todos comprovem por si mesmos como o Thrash Metal realmente tem referências no Punk Rock e Hardcore.

Definitivamente: viver em um mundo onde o DESTRUCTION não existisse, sinceramente, seria algo bem sem sal…

Nota: 100%