sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

LAMÚRIA ABISSAL - Passagem Para o Além Abismo


Ano: 2016
Tipo: Extended Play (EP)
Selo: Cvlminis (Rigorism Productions)
Nacional


Tracklist:

1. Estupor de Viver
2. Orquídea Sangrenta
3. Lavrando Defuntos
4. Solidão
5. Eternal Beauty of Trees (Uaral cover)


Banda:


Reverand Despair - Vocais
Pale - Todos os instrumentos


Ficha Técnica:


Contatos:

Site Oficial:
Twitter:
Youtube:
Instagram:
Bandcamp:
Assessoria:

E-mail:

Texto: Marcos Garcia


Ainda nos anos 90, quando a Second Wave of Black Metal começou a deixar as profundezas dos porões do underground de Oslo, Bergen, Copenhagen, Atenas e outras cidades, vários subgêneros do mesmo foram surgindo. E talvez o mais underground deles todos seja o Depressive Black Metal. Poucos se aventuram por ele, e até mesmo são raras as bandas que trilham seus caminhos. No Brasil, há alguns representantes, sendo um dos mais conhecidos o LAMÚRIA ABISSAL, do Rio de Janeiro. E eis que temos em mãos o EP “Passagem Para o Além Abismo”, de 2016.

Para início de conversa, o Depressive Black Metal é focado em ambientações soturnas, com tempos lentos e muitas vezes, o uso de teclados reforça a aura melancólica e introspectiva do gênero. Nisso, o dueto sabe usar bem esses elementos, mas indo além, pois usam um trabalho bem feito de guitarras, baixo e bateria dão o peso necessário, e bons contrastes entre vocais rasgados e outros mais agonizantes. Percebe-se claramente que a banda evoluiu em relação aos seus primeiros trabalhos, ficando mais diversificada em termos de variações de ritmo, inclusive porque algumas de suas canções são bem grandes. E digamos de passagem: esses dois entendem muito bem do que estão fazendo.

Em termos de sonoridade, o grupo conseguiu associar uma boa dose de clareza à sujeira crua que é uma das características do Depressive Black Metal. Tudo pode ser compreendido sem grandes esforços, os timbres instrumentais são muito bons, e tudo está em seu devido lugar.

Com letras em português e muita disposição, o LAMÚRIA ABISSAL é uma banda bem articulada e sabe usar de sua experiência para pegar o gênero e expandir fronteiras. Mesmo os fãs puritanos de Black Metal terão que tirar o chapéu para o trabalho deles, pois como arranjam bem suas músicas.

E se preparem, pois as cinco canções de “Passagem Para o Além Abismo” são autênticas viagens por um mundo obscuro, melancólico e agressivo. O peso opressivo de “Estupor de Viver” é suave e introspectivo, permeado por vocais agonizantes bem colocados. Em “Orquídea Sangrenta”, temos o contraste entre vocais rasgados e riffs agressivos com teclados fúnebres; e a canção em si tem um jeito simples, mas envolvente. Um pouco mais voltada ao Black Metal tradicional da SWOBM é “Lavrando Defuntos”, com suas boas mudanças de ritmo. Ainda com muitas variações rítmicas (reparem no uso dos bumbos duplos) e ótimas guitarras, “Solidão” retoma o lado mais introspectivo e denso da música da dupla (e pode se sentir até uns toques melodiosos vindos do Heavy Metal Tracional em algumas partes). E “Eternal Beauty of Trees” é uma versão da banda para uma canção do extinto grupo chileno de Folk/Doom Metal UARAL, que está soando totalmente melancólica, apesar de várias partes mais agressivas.

Se eles já mostravam esse nível em 2016, mal posso esperar para apreciar “Eterno Outono da Alma”, disco mais recente deles.

Nota: 89%