domingo, 4 de fevereiro de 2018

SAXON - Thunderbolt


Ano: 2018
Tipo: Full Length
Importado


Tracklist:

1. Olympus Rising (intro)
2. Thunderbolt
3. The Secret of Flight
4. Nosferatu (The Vampires Waltz)
5. They Played Rock and Roll
6. Predator
7. Sons of Odin
8. Sniper
9. A Wizard’s Tale
10. Speed Merchants
11. Roadie’s Song
12. Nosferatu (Raw Version)


Banda:

Biff Byford - Vocais
Paul Quinn - Guitarras
Doug Scarratt - Guitarras
Nibbs Carter - Baixo
Nigel Glockler - Bateria


Ficha Técnica:

Andy Sneap - Produção
Paul Raymond Gregory - Artwork
Johan Hegg - Músico convidado (vocais guturais em “Predator”)


Contatos:

Bandcamp:
Assessoria:

E-mail:

Texto: Marcos Garcia


Uma coisa lógica é pensar que as bandas antigas envelhecem e chegam ao momento de parar. Muitas vezes, isso se percebe na queda de rendimento do grupo, pois existem aqueles que, depois de chegarem ao reconhecimento, decaem e ficam remixando mixaria, fazendo mais do mesmo sem nenhuma vontade de ousar alguma coisa. Mas existem aqueles que estão tão bem que a aposentadoria deles seria um pecado. O quinteto inglês SAXON, uma lenda viva de mais de 40 anos de carreira, mostra que está longe de se aposentar com seu novo disco, o recém lançado “Thunderbolt”. E se preparem, pois a Shinigami Records lançou esse disco, e em formato Digipack.

Antes de tudo: basicamente, esse que é o 22o disco da banda, é uma pedrada!

Sim, longe de ficar apenas lançando discos bem fracos como alguns de seus compatriotas, eles preferiram fundir a solidez da mistura peso + melodia tradicional do grupo (que é adornada de toques de Hard Rock clássico e a energia do Rock) com uma sonoridade moderna sólida e bem feita. Isso mesmo: o SAXON continua em seu estilo clássico e que todos amam (sem estarem se repetindo), mas com uma embalagem sonora altamente pesada e bem feita. E como a formação está sólida há muitos anos, é claro que isso deu solidez e qualidade musical ao disco, sendo que os refrãos melodiosos, aquelas passagens que se ouve e se guarda são imbatíveis.

O segredo da banda: a produção sonora.

Óbvio que o nome de Andy Sneap (o mesmo que trabalhou com o ACCEPT, ARCH ENEMY, e no vindouro disco novo do JUDAS PRIEST) já é mais que suficiente para garantir que a sonoridade beiraria a perfeição. Aqui não beira: é perfeita, se encaixa com o contexto musical do disco, com alto nível de limpeza, mas aquele peso avassalador que tanto nos faz bem.

“Thunderbolt” é um disco que vem em um momento propício, para mostrar que grupo ainda tem lugar no cenário. A qualidade dos arranjos musicais, os vocais bem colocados, as músicas que nos remetem ao passado glorioso do grupo, mas de olho no futuro. E esse velho guerreiro Saxão está com sede de Metal, verdade seja dita!

O disco é bem homogêneo, mas não dá para não falar da excelente “Thunderbolt” e seu peso absurdo (e como Biff está cantando bem), as lindíssimas melodias de “The Secret of Flight” e suas guitarras fascinantes (Paul e Doug, sem precisarem exagerar na técnica, criam riffs e arranjos lindos), o ritmo sólido e arrastado de “Nosferatu (The Vampires Waltz)” (como Nigel e Nibbs se entendem bem na sessão rítmica), o Rock’n’Hard pesadão e cheio de energia de “They Played Rock and Roll” (uma homenagem do quinteto ao finado MOTORHEAD, padrinho deles no início de carreira, para quem ainda não sabe), a pesadíssima e moderna “Predator” (onde surgem urros guturais sob as linhas melódicas, uma participação especial de Johan Hegg, do AMON AMARTH), o ritmo mais lento e harmonioso de “Sons of Odin”, a mescla perfeita de timbres modernos e melodias tradicionais em “A Wizard’s Tale”, e aquele jeitão NWOBHM que nos embala e que tantos amam de “Roadie’s Song”.

Esse disco merece o título que tem, pois é um autêntico Trovão Heavy Metal, daqueles que conquista qualquer Metalhead de bom gosto. E se a NWOBHM começasse hoje, poderia afirmar que qualidade para serem gigantes não falta (aliás, nunca faltou). Comprem, ouçam e se preparem, pois o SAXON veio para fazer de “Thunderbolt” um sério candidato a disco do ano.

Nota: 100%