terça-feira, 15 de maio de 2018

VILETALE - Suicide of Dei


Ano: 2018
Tipo: Extended Play (EP)
Selo: Independente
Nacional


Tracklist:

1. OTH - The Last Message (intro)
2. Overlord Murder
3. Santificada Seja a Carne
4. Splatterhouse
5. Suicide of Dei


Banda:


Bruno Jankauskas - Vocais, guitarra solo
Alan Ricardo Wenderlich - Guitarra base, vocais
Filipe Trindade Oliveira - Baixo
Matheus Lunge - Bateria


Ficha Técnica:


Contatos:

Site Oficial:
Assessoria:



Texto: Marcos Garcia


A vocação extrema do Brasil é algo evidente desde a segunda metade dos anos 80. Mais de 80% dos nomes lendários daqueles tempos são de estilos extremos de Metal. Até hoje, por aqui, se percebe essa influência, passada de geração em geração. Óbvio que existem bandas e mais bandas com muito pouco a acrescentar à história do Metal nacional, mas existem outras que possuem enorme talento, ainda que necessite lapidações. E nesse segundo grupo, está o quarteto VILETALE, de Blumenau (SC), que nos chega com “Suicide of Dei”, seu mais recente EP.

O ponto mais forte do grupo é, sem sombra de dúvidas, sua criatividade. Embora a essência Death Metal seja a mais evidente, se percebem influências de Thrash e Black Metal permeando suas canções. Muitos tentam isso, mas o quarteto consegue fazer algo consensual e denso, e desde “Initiation” (o primeiro EP da banda, de 2016), eles têm evoluído bastante musicalmente. Fora a energia bruta que flui de suas canções, dos bons arranjos instrumentais e vocais diversificados em termos de timbres, se percebe intelecto por trás do processo de composição e de letras, algo não tão valorizado por muitos.

Podemos aferir, assim, que o quarteto mostra em “The Suicide of Dei” uma enorme maturidade.

Uma das primeiras coisas que chamam a atenção é que a sonoridade do grupo evoluiu. Agora, a gravação soa mais limpa, mais clara, nos permitindo compreender sem muitos esforços o que eles criam musicalmente, e mesmo aqueles famosos detalhes que fazem um disco brilhar. Óbvio que ainda podem melhorar ainda mais, mas estão com um bom nível de qualidade de gravação. Além disso, a arte da capa realmente é bem chamativa, claustrofóbica, nos fazendo pensar muitos aspectos da vida.

Exibindo boa técnica musical, o VILETALE vem surpreender nossos sentidos, pois quando uma canção surge e forma uma opinião, a outra vem e nos desafia novamente. Sim, cada canção vem mostrando um aspecto de sua personalidade, algo diferente do que se vê comumente no Brasil.

Em “Overlord Murder”, temos uma canção mais simples, mas onde se percebem contrastes de tempos interessantes, e nas partes mais cadenciadas, se percebe clara influência do Black Metal grego. Mais agressiva e com boa dose de velocidade, vem “Santificada Seja a Carne”, com seu jeitão mais Brutal Death Metal e bom trabalho em termos de guitarras. A brutalidade fica ainda mais evidenciada em “Splatterhouse”, onde as linhas harmônicas privilegiam uma pegada Death Metal mais tradicional, e onde o baixo debulha várias vezes. E já mostrando um lado mais opressivo, temos “Suicide of Dei”, onde arranjos mais soturnos e um andamento que varia bastante entre uma pegada Death Metal Old School até passagens Black Metal, com ótimas guitarras e bom trabalho de baixo e bateria.

Ainda que existam arestas a aparar (porque o quarteto é uma banda jovem, com quase dois anos de existência apenas), o VILETALE é promissor. E “Suicide of Dei” os ratifica como uma das grandes promessas do Metal extremo brasileiro.

Nota: 84%