quinta-feira, 12 de julho de 2018

TENEBRÁRIO - The Silence of the Ancient Souls


Ano: 2018
Tipo: Extended Play (EP)
Nacional


Tracklist:

1. Like No Other 
2. The Castle (New Version) 
3. God Symphony (New Version) 
4. Amrá


Banda:


Alexdog - Vocais, baixo
Eduardo Borrego - Guitarras
Kaue Assis - Guitarras
Waine Assis - Bateria


Ficha Técnica:

Alexdog - Produção, mixagem, masterização
Tenebrário - Produção
Adriana Silva - Arte da capa e contracapa
Paulo Cássio R. Lemes - Arte da capa e contracapa


Contatos:

Site Oficial:
Assessoria: www.facebook.com/cangacorockcomunicacoes/ (Cangaço Rock Comunicações)

Texto: M. Garcia


O Brasil sempre está em paralelo com as tendências mais recentes do exterior em termos de Metal, e mesmo quando uma vertente antiga começa a ter mais sucesso, nomes vão surgindo por aqui, ou então os velhos medalhões lançam algo novo. E o quarteto paulista TENEBRÁRIO é um deles. Após voltar a ativa, eis que chega seu primeiro trabalho novo, o EP “The Silence of the Ancient Souls”.

No Brasil, qualquer vertente que pense recebe “inserts” das influências musicais individuais dos músicos, logo, não é à toa que o Heavy/Doom Metal do grupo nos parece mais versátil e solto do que se ouve por aí. Na realidade, o rótulo só serve para situar-nos, pois temos algo um pouco mais diversificado, mais solto e espontâneo do que aquele som grave e arrastado (e engessado) costumeiro, inclusive com passagens onde a influência do Classic Rock/Hard Rock surge claramente. Sem falar que as novas versões de duas músicas antigas servem como parâmetro para visualizarmos como o trabalho deles evoluiu.

Sim, “The Silence of the Ancient Souls” é um trabalho bem legal de se ouvir.

A produção é bem artesanal. Fica claro que tudo foi gravado, mixado e masterizado de uma forma em que o som ficasse bem orgânico, mas aonde a crueza vem dos timbres escolhidos para os instrumentos musicais, e não na gravação. Dessa forma, temos a compreensão do que é tocado, mas com um som massivo, pesado e cru.

O TENEBRÁRIO é um veterano, mas mesmo assim, não abre mão de evoluir, de buscar sempre melhorar a si mesmo, sem ficar vivendo de seu passado. Mas não esperem que a banda tenha trocado de gênero musical ou que seu trabalho esteja descaracterizado. Este autor escreveu “evolução”, e não “mudança de estilo”. E fica claro que a técnica individual não é o enfoque deles, mas que as canções soem coesas, sólidas como rochas.

“Like No Other” é uma canção sólida, pesada e densa, mas com clara menção ao Hard Rock em várias partes, e mostrando um trabalho bem legal nas guitarras. Já com um toque mais voltado ao Stoner Rock temos as versões novas de “The Castle” e “God Symphony”, que mostram o quanto a banda é fiel a sua música, mantendo a essência original, mas com uma roupagem mais moderna (que ressalta bem o trabalho pesado de baixo e bateria). E “Amrá” já é mais pesada e climática, mas com melodias opressivas de primeira, e mostrando bem como esse vocal à lá “urso urrando raivoso” encaixa bem nas linhas instrumentais do grupo.

“The Silence of the Ancient Souls” é um bom lançamento, e uma excelente pedida para os fãs de Metal em geral.

Nota: 84%